Roteiro de um dia por Pisa e Lucca na Itália

Nesse texto você vai conferir nosso roteiro por Pisa, a cidade de Galileu e Lucca, a cidade das Cem Igrejas. Um bate-volta partindo de florença.

Estamos fazendo uma série de textos e vídeos sobre nosso roteiro pela Itália. Já liberamos o roteiro de Roma, (confira o vídeo aqui e o texto aqui) e Florença (confira o vídeo aqui e o texto aqui)

Na nossa viagem pela Toscana decidimos conhecer em um único dia Pisa e Lucca. São cidades pequenas, mas nem por isso menos encantadoras. A nossa base é Florença e de trem da capital até pisa, são 1h15 de viagem.

Os trens da Trenitália saem de hora em hora da Estação Santa Maria Novella e o bilhete com hora marcada custa em torno de 8 euros comprando antecipadamente pelo site. Nós deixaremos para comprar lá, porque como é trem regional não tem necessidade de comprar com antecedência, já que não tem cadeiras marcadas e nem a possibilidade de lotar o trem.

PISA

Existem duas estações em pisa: a San Rossore, mais próxima a Torre de Pisa e a estação Pisa Centrale. Optamos pela Pisa Centrale, porque descendo lá, já conheceremos o centro da cidade até chegar na Torre de Pisa e depois utilizaremos a San Rossore, mais próxima, para seguir viagem até Lucca.

Vamos subir pela Corso Italia, a principal rua comercial de Pisa, super movimentada, repleta de restaurantes e lojas. Chegaremos na Piazza Dei Cavalieri, onde tem o Palazzo Della Carovana, construção do século XVI e antigo quartel da Ordem dos Cavaleiros de Santo Estevão, e o Palazzo Dell’Orologio, que foi citado na Divina Comédia de Dante Alighieri.

Em seguida, partiremos para conhecer a famosa Piazza Dei Miracole, onde estão a Torre de Pisa, o Duomo, o Camposanto e o Batistério, principais e mais visitadas construções da cidade.

Além de tirar aquela foto suuuper criativa lá embaixo, se você quiser subir na Torre, o ingresso fura fila custa 24 euros, é com hora marcada e o link para compra vou deixar AQUI

Esse ingresso também dá direito a entrar na Catedral sem fila. Mas se você quiser entrar apenas na Catedral, não precisa pagar nada, você apenas terá que retirar o passe gratuito na bilheteria da igreja.

Esse será nosso passeio por Pisa. Claro, que no vlog, mostraremos tudo em detalhes para vocês, inclusive as descobertas e surpresas que sempre aparecem em cada viagem.

Depois disso pegaremos um trem da Estação San Rossore até Lucca.

LUCCA

O trem regional sai de meia em meia hora e o ingresso custa cerca de 4 euros. A viagem direta até Lucca demora uns 30 minutinhos.

Chegaremos em Lucca no início da tarde e o primeiro local que veremos será a Muralha de mais de 400 anos que circunda toda a cidade. entraremos pela porta de san pietro./ dos seis acessos, a porta de sao pedro é a mais impressionante e elaborada e é também a mais próxima da estação de trem da cidade.

O apelido de Lucca é a cidade das cem igrejas, de tantas construções religiosas que existem por lá. Então, é claro, veremos muitas igrejas, a começar pelo Duomo Di San Martino, ou a Catedral de Lucca, que tem guardado lá dentro um crucifixo de madeira com a imagem de Cristo, que teria sido esculpido por um dos primeiros seguidores de Jesus.

Caminhando um pouco mais, chegaremos a Chiesa Di San Giovanni e Reparata, construída no século IV como uma Catedral de Lucca.

Outra igreja que vamos conhecer será a San Michelle in Foro, uma enorme basílica construída sobre um Fórum Romano, bem no centro de Lucca. No alto, a escultura de São Miguel derrotando um dragão.

Dali vamos subir a Via Fillungo, a rua mais movimentada de Lucca, repleta de bares, cafés e lojinhas e vamos até a Piazza Della Anfiteatro, que como o nome já diz, era um anfiteatro tipo o Coliseu, só que claro, bem menor.

E para finalizar nosso roteiro em Lucca, subiremos na Torre Guinigi, de onde se tem a vista mais incrível da cidade. É a única torre da época renascentista que ainda resisti em Lucca. Lá em cima tem um jardim. É muito lindo mesmo. O ingresso custa 4 euros e você pode comprar no local.

Esse é o nosso roteiro de um dia para Pisa e Lucca, mas existe também um opção de tour guiado para essas duas cidades, saindo de Florença. Custa 58 euros. A companhia te pega no hotel, você não se preocupa com o transporte, nem roteiro e ainda vai recebendo muitas explicações pelo caminho. Clique aqui para comprar o passeio. 

Lembrando que ainda vamos conhecer mais um pouco da Toscana com direito a Siena e muitos vinhedos, inclusive Montalcino e depois seguiremos para Milão, Verona e Veneza. Os roteiros, claro, vamos dividir com vocês atendendo aos muitos pedidos sempre.

Para conferir o vídeo do roteiro de Pisa e Lucca, com imagens dos locais que visitaremos, é só clicar aqui.

Aliás, se tiver alguma dica da Itália, escreva aqui embaixo, vamos adorar saber, com a chance de incluir no roteiro aquelas mensagens que vierem antes de 10 de Agosto de 2018.

Um beijão e até o próximo roteiro, que será sobre Siena, Montalcino e várias outras regiões lindas da Toscana.

Roteiro de 4 dias em Roma na Itália

Oi, oi, oi gente linda!

Vocês me perguntam muuuito sobre como organizo meus roteiros, então quero aproveitar nossa viagem a Itália para liberar o roteiro detalhado de tudo o que vamos fazer por lá.

As cidades escolhidas são Roma, Florença e outras cidades da Toscana, Milão e Veneza.

A nossa primeira parada será Roma, onde teremos 4 dias para aproveitar.

DIA 1

Vamos sair de São Paulo à noite e chegar em Roma por volta do meio-dia. Serão 12 horas de viagem, lembrando que são 5 horas de diferença a mais em relação ao Brasil.

Até chegar, passar pela Imigração, pegar as malas e tudo mais devemos chegar ao hotel perto das 4h da tarde.

Do Aeroporto Leonardo da Vinci, também conhecido como Fiumicino, a 30km de Roma, você tem várias opções para chegar ao centro histórico. Trem, transfer, ônibus ou taxi. 
Trem

Tem o trem expresso, Leonardo Express, super pontual e que leva 30 minutos até a Estação Central Roma Termini.

E o trem regional, que pode levar até 50 minutos, você precisa fazer baldeação, vive lotado e constantemente sofre com atrasos.

A diferença, claro, também está no preço: o expresso custa 14 euros, o regional 8 euros.

O bilhete pode ser comprado online, pelo site oficial da Trenitalia, que é a companhia que vamos usar em toda a viagem, ou então direto no guichê da cia no próprio aeroporto.

O problema de comprar online é que precisa ser com hora marcada e em se tratando de vôos internacionais, nunca sabemos se vai atrasar ou não. Então, acho mais seguro comprar no local mesmo.
Ônibus

É o meio mais barato. Varia de 5 a 6 euros, dependendo da operadora.

A TAM, que não é a mesma que a nossa, eu sei que você pode comprar o bilhete online. E mesmo que tenha horário definido, você chega e pega o primeiro ônibus que sair. Mais informações você consegue no site. A viagem dura cerca de uma hora.

Transfer

Vai do aeroporto até a porta do seu hotel. Pode ser transfer particular (preço vai de 45 a 80 euros por grupo) ou o transfer compartilhado (preço médio de 16 euros por pessoa). É só clicar nas opções desejadas que você já vai direto pro site do GetYourGuide, que é onde faço minhas compras antecipadas para reserva de transporte, entradas em atrações e passeios guiados. 

Táxi

O valor da corrida até o centro de Roma – dentro dos Muros Aurelianos – começa em 45 euros e vai aumentando dependendo do número de malas e pessoas. 

 

E chegou a hora de falar da hospedagem.

Nós optamos pelo centro histórico, para ficar mais próximo das atrações turísticas. É um pouco mais caro, mas vale a comodidade.

Vamos ficar no Hotel Damaso, indicação de um amigo do Luiz, que gostou muito de tudo: café da manhã, limpeza, atendimento e localização – fica a 3 minutos a pé da Piazza Navona.

E dia de chegada é dia de conhecer os arredores do hotel, ficar mais light, flanar pela cidade… e é isso que vamos fazer nesse dia.

Vamos começar pela Piazza Navona, Piazza Della Rotonda, Panteon e vamos ir até a Fontana di Trevi para vê-la à noite. Mas como sabemos que vive lotaaaada, antes de ir embora de Roma pretendemos acordar cedinho um dia e correr pra lá de novo. Só assim pra pegá-la vazia.

Aí pra terminar a noite vamos escolher um restaurante, já vi vários bem legais ali perto, comer e voltar capotar no hotel.

DIA 2

Vamos direto ao Coliseu, mas antes, como é caminho, vamos conhecer o Altare Della Patria, monumento em homenagem a Vittorio Emanuel, primeiro Rei da Itália e considerado o Pai da Pátria. E também passar ao lado no Monte Capitolino, uma das sete colinas da cidade, onde Roma começou a ser construída e onde moravam os imperadores.

Mas vamos bem cedinho, porque às 8h30 abrem-se as portas do Coliseu.

E uma informação importante:  o ingresso do Coliseu vale também para o Monte Palatino e Fórum Romano.

O bilhete é válido por dois dias a partir do primeiro uso.

Você pode comprar os bilhetes pela internet, evitando filas. Custa 16 euros – 12 do bilhete, mais 4 da reserva.

Nós compramos do site do Rome Museum, que tem tradução em português. O comprovante vem no seu email, é só imprimir e apresentar lá na entrada sem pegar a enorme fila para comprar no local.

Com esse ingresso você terá direito a visitar a arena, no segundo anel, mais a exposição permanente no primeiro piso.

Mas você também pode encontrar bilhetes no site do GetYourGuide, inclusive com a opção de visita guiada. Os preços mudam, claro.

Uma dica preciosa é começar pelo final, ou seja, ao invés de já entrar no Coliseu, ponto de partida pensado pela maioria dos turistas, comece pelo Fórum Romano. A fila no Coliseu é o dia inteiro, mas pelo menos começando pelo final, você pode conseguir um pouco mais de tranquilidade em parte da visita.

O Coliseu abre todos os dias das 8h30 até uma hora antes do pôr do sol, ou seja, de Novembro a Março até 15h30 e de Abril a Outubro até 17h30.

Pesquise também sobre o Roma Pass e veja se vale a pena para você. Existe o Roma Pass 72h, que te dá direito a duas atrações gratuitas e o Roma Pass 48h, que te dá direito a uma atração gratuita. Com o cartão você usa o transporte público de Roma de forma ilimitada, menos o trajeto até o aeroporto.

Bom, no segundo dia será isso O que já é muita coisa, porque nessa região tem muito para ser visto. E atenção! Nesses monumentos, não há lanchonetes. Portanto, leve um lanchinho e garrafa de água, que poderá ser reabastecida nas fontes do Palatino.

DIA 3

Vamos ao vaticano!

Detalhes importantes: quer ver o Papa, reserve domingo ou quarta-feira, quando ele faz a Audiência Papal na Praça de São Pedro. Mas vá preparado, porque tudo lota e lota muito.

Aliás, para evitar a multidão chegue cedo, muito cedo.

Se tiver mais dias em Roma, uma dica que pode valer a pena é dividir a visita ao Vaticano em dois dias. Assim, chegando cedo,  num dia você pega Basílica e Praça de São Pedro vazias e no outro os Museus e Capela Sistina também vazios.

Nós vamos fazer tudo no mesmo dia. Aliás já compramos nossos ingressos para os Museus e Capela Sistina para o início da tarde. Dica importante: comprando seu ingresso antecipadamente (pelo site oficial é mais barato) você fura fila para Museus e Capela Sistina. O ingresso é um só.

Cada ingresso custa 17 euros + 4 euros pela conveniência do online. O voucher vem no seu email. Você escolhe o mês, quantidade de pessoas, dia e horário. Ingressos individuais e intransferíveis. No dia é só passar a fila toda e ir direto para a entrada no seu horário.

Aliás, outra dica importante: compre com pelo menos dois meses de antecedência para não correr o risco de não encontrar dia e hora que você planejava. Nós deixamos para comprar em cima da hora e tivemos que adaptar o roteiro, porque não tinha mais a data que queríamos.

Não é permitida a entrada com decotes, ombros e joelhos de fora. Vale para homens e mulheres.

O Vaticano abre de segunda-feira a domingo, das 07h até o pôr do sol.

Na volta do Vaticano vamos para o Castelo Sant’Angelo, construído no ano de 139  pelo Imperador Adriano, e claro encontrar aquele restaurante bacana para terminar à noite.

DIA 4

Esse é mais um dia de acordar suuuuper cedo para pegar a Fontana di Trevi vazia. Às 6h da manhã já estaremos lá. Exagero? Não sei!

Depois é hora de conhecer a Piazza di Spagna, uma das mais concorridas de Roma e Piazza del Popollo, uma das maiores praças do centro histórico.

Em seguida tem a Villa Borghese, Palácio no Monte Pinciano ou Pincio, dentro do segundo maior parque de Roma, os Jardins da Villa Borghese. No interior do palácio está a Galleria Borghese, um museu com obras de Caravaggio, Bernini, Botticelli e outros.

O ingresso custa 22 euros no site do GetYourGuide, mas deve ser comprado com bastante antecedência. A galleria é fechada às segundas-feiras, assim como a maioria dos museus de Roma, menos o coliseu.

Queremos ainda conhecer as Termas de Caracalla, que era um dos maiores complexos de banhos públicos de Roma e segue muito bem conservado.

E acabou, gente!

Veja também o post do roteiro em Florença, que será a próxima parada.

Lembrando que depois de Agosto de 2018 tudo estará registrado nos vlogs da Itália, então não deixe de acompanhar como foi a nossa experiência lá no canal do YouTube.

Você também já pode acompanhar em tempo real todas as nossas postagens e dicas pelo Instagram, tanto no MEU quanto no do LUIZ

Espero que tenha curtido a postagem e se quiser deixar mais sugestões de postagens é só escrever nos comentários.

Ah, uma última dica super importante: em todas as minhas viagens eu uso o chip de internet ilimitada da EASYSIM4U. E não será diferente na Itália. Amo demais e super recomendo. Se vai viajar e quiser o seu também é só clicar aqui.