O futuro das viagens com a pandemia de coronavírus

A longo prazo, como a pandemia pode mudar o mundo das viagens?

Higiene vai ser algo de alta prioridade e muitas pequenas lojas de família que faziam parte do destino podem desaparecer.

Muitos estados americanos tiveram a quarentena estendida até final de maio/ meados de junho e apesar de alguns países da União Européia já começarem a pensar em flexibilizar/ finalizar o período de confinamento, não se sabe ainda quando estarão abertos para o turismo e nem se os viajantes estarão interessados em visitá-los.

Em resposta a uma pesquisa, a maioria dos americanos disseram que devem voltar a voar entre 4 e 6 meses, mas embarcar num cruzeiro somente depois de um ano ou mais. 

Rick Steves, que tem um canal de viagens no YT, cancelou todas as turnês até maio e já está prestes a remarcar mais viagens programadas para o segundo semestre. Ele acredita que quando as restrições do corona diminuírem, o que deve voltar primeiro são as viagens regionais, aquelas para lugares próximos, viajando de carro em média 3 horas. O que ninguém quer fazer é VOAR para algum lugar e se encontrar em uma situação que ficará em quarentena porque nada voltou ao normal ainda por lá.

É dele também o medo de que pequenas lojas, restaurantes e estabelecimentos de família nunca mais reabram. E eu concordo com ele que esses lugares pequenos são uma das coisas mais gratificantes de uma viagem

Mesmo que tenhamos um progresso contra a pandemia até julho, como alguns prevêem, ainda vamos ver muita gente relutante a viajar de avião. Então, talvez, tenhamos mais viagens internas pelo mundo, inclusive  aqui no Brasil. 

Nos Estados Unidos existe uma cultura muito forte de trailers e motorhomes, vai que depois da pandemia a moda pega aqui no Brasil? 

De qualquer forma, alguns especialistas do turismo americano estão prevendo algumas mudanças permanentes entre os viajantes. Uma: a exigência por hotéis extremamente limpos deve aumentar. Dois: os viajantes ficarão muito mais atentos ao quão próximos vão ficar de outras pessoas. 

As viagens devem ser retomadas de forma gradual e alguns tipos de eventos como casamentos, reuniões de família e viagens de retiro podem ser o início de tudo, já que é um tipo de promessa de momentos de alegria e conexão com pessoas que você tem um carinho especial.

Um outro ponto é que talvez as pessoas prefiram viajar para visitar a família, ou então hotéis menores, ou alugar apartamentos estilo AIRBNB, para ficarem sozinhas, cozinharem… e aí depois devem vir viagens de lazer em meio a natureza, conferências internacionais, viagens internacionais de lazer, férias em cruzeiro… e por aí vai!

Quem costuma viajar reconhece que a quantidade de chineses é extremamente alta em qualquer um dos principais destinos do mundo e eles não viajam desde antes do Ano Novo Chinês, ou seja, antes de qualquer um voltar às viagens internacionais, os chineses devem fazer isso. 

Às vezes é preciso uma crise para as pessoas reconhecerem que querem mudar de rumo. Tem gente na Tailandia percebendo que durante a quarentena tem menos lixo e mais vida selvagem. TAlvez um período para reposição de todas as belezas naturais que existem por lá.

Outra mudança que pode ser retomada com mais frequencia nas viagens seja a carteira de imunização. A partir do momento que seja encontrada uma vacina para o coronavírus isso pode ser tornar uma exigência para os viajantes. 

Este é o ano do carro?

Se as pessoas vão voltar a viajar fazendo viagens mais curtas e próximas de casa, será que vai ser o ano do carro? Porque pelo que a gente viu é que os planos de uma viagem ao exterior ou um cruzeiro talvez sejam reprogramados e então os destinos mais próximos sejam a bola da vez e claro, de carro. 

Mas temos que considerar que as companhias aéreas vão tentar atrair os viajantes baixando as tarifas das passagens.

Mark Anderson, especializado em viagens a Paris, acredita que as viagens pela Europa podem se recuperar antes de 2021. Depois da crise do 11 de setembro, em 2001, ele ofereceu viagens a Paris dos EUA por 399 dólares com passagem, hotel e café da manhã e vendeu super bem por meses. Ele disse que constatou que as necessidades humanas junto com comida, moradia e outras necessidades essenciais está a de viajar.